sexta-feira, 28 de março de 2008

GORDOS NEGÓCIOS

Por Tania Menai

Não foi à toa que o americano Morgan Spurlock, diretor e protagonista do documentário "Super Size Me", ganhou tantos prêmios. Durante um mês, em 2004, o cineasta se entupiu de BigMacs e porções de batata-frita gigantes, levando seu cardiologista à loucura, para revelar dados alarmantes sobre a economia da obesidade nos Estados Unidos: por pouco dinheiro, come-se muito. E por um pouquinho mais, come-se super size. Isso afeta, principalmente, as camadas mais pobres da sociedade, o que também acontece em países como o Brasil. "Super size" já virou verbo (to supersize it). E, com isso, cresce uma indústria, no mínimo bizarra, para atender a esta nova nação de gigantes. As opções incluem volantes, privadas e até caixões de defunto. Tudo oversize. Tudo plus-size. Tudo kingsize. Leia a reportagem completa.

4 comentários:

Ju disse...

Eu vi esse documentário... e particularmente não gostei! Eu acho complexo essa coisa toda. As pessoas estão maiores, isso é uma realidade, então que venham as coisas supersize...rsrsrs bjinhos

roberto disse...

Olá Rui espero que esteja td bem com vc. Demorei mais agora estou aki te fazendo uma visitinha e estou adorando o teu espaço e como vc venceu essa luta, espero também fazer parte dessa lista .Bjs,

Kecia Emagrecendo disse...

Olá Rui quem te mandou um recado que está em nome de Roberto foi a Kécia, desculpa estava na conta do meu esposo e não percebi.Bjs


http://www.keciafs.blogspot.com

cris disse...

Oi Rui, finalmente achei seu link no blog da Carol, no seu perfil da OM não tem né?

Pois é amigo, eu vejo com ironia essa situação, porque a mesma mídia que nos empurra guela abaixo um padrão de beleza "X" é a que nos ensina que tudo que é bom ou faz mal ou engorda...se não me engano tem até uma musica dizendo isso.

Depois volto pra ler mais.

Beijão!